010   ^a978-972-20-6910-6
021   ^aPT^b461753/19
100   ^a20200102d2019    k  y0porb0103    ba
101 0 ^apor
102   ^aPT
200 1 ^aNão chames noite à noite^eromance^fAmos Oz^gtradução de Francisco de Assis Basto da Costa Reis
205   ^a1ª ed
210   ^aAlfragide^cD. Quixote^d2019
215   ^a270 p. ;^d24 cm
304   ^aTítulo original: Al taguídi laila 
330   ^a«Afinal, ninguém sabe nada sobre ninguém. E ainda por cima, do que menos se sabe é do amor.» Em Tel Keidar, uma pequena cidade situada junto ao deserto do Neguev, a morte brutal de um jovem adolescente, possivelmente por overdose, vai interferir no equilíbrio íntimo do casal Theo e Noa, fragilizado pela diferença de idades, pela ausência de filhos, pelo tédio e pela incomunicabilidade. Com um virtuosismo inexcedível, Amos Oz faz alternar essas duas vozes narrativas, a de Theo e a de Noa, juntando-lhes ainda a do narrador, cronista anónimo que por vezes cede a palavra ao «coro» dos habitantes da cidade. Assim, como que reunindo progressivamente todas as peças de um puzzle, o autor revela-nos a intimidade mais profunda de dois seres, ao mesmo tempo que retrata as tensões de uma pequena comunidade, recheada de personagens excessivos e pitorescos. Fonte: Wook
675   ^a821.411.16-31
700  1^aOz,^bAmos,^cpseud.^3AU03334
702  1^aReis,^bFrancisco de Assis Basto da Costa^4730
859   ^uhttp://www.bibliotecasobral.com.pt/BiblioNET/Upload/images/imagem88443.jpg
920 n
921 a
922 m
923  
924  
925  
931 20200102
932 d
933 2019
934     
935 k  
936 y
937 0
938 ba