010   ^a972-41-1371-X
021   ^aPT^b148878/00
100   ^a20010604d2000    m  y0pory0103    ba
101 1 ^apor
102   ^aPT
200 1 ^a<A >senhora^fCatherine Clément^gtradução de Maria do Rosário Mendes
205   ^a11ª ed
210   ^aPorto^cAsa^d2000
215   ^a361, [3] p. ;^d24 cm
225 2 ^aRomance
304   ^aTítulo original: La senora
320   ^aContém cronologia
330   ^a"O nosso verdadeiro nome comum era Nasi, o que significa príncipe. Infelizmente, desde aquela época, já não éramos príncipes, mas sim proscritos." Perseguida pela Inquisição, Beatriz de Luna, ou Gracia Nasi, nascida em Lisboa em 1510, é a mulher judia, jovem viúva de um banqueiro português (Francisco Mendes), que, herdeira de uma poderosa fortuna, vai pôr em marcha um dos mais impressionantes episódios da Europa seiscentista. Enfrentando o ódio dos Habsburgos e dos Papas, que a perseguem até à Palestina, ela é a força que irá proteger os cristãos-novos espoliados da Península Ibérica, à cabeça de um império comercial que, tal como o dos Fugger ou o dos Médicis, vergava a cabeça a reis, embaixadores e aristocratas. Expulsa sucessivamente de Lisboa, Antuérpia, Veneza e Ferrara (onde manda imprimir a primeira Bíblia traduzida para ladino — a célebre Bíblia de Ferrara), a Senhora personifica o êxodo singular dos Marranos, no contexto dos conflitos políticos, comerciais e religiosos da era humanista, num teatro onde se encontram as três grandes religiões do Livro, bem como o Oriente e o Ocidente.  Fonte: Edições Asa
606   ^aLiteratura francesa
606   ^aRomances históricos
675   ^a821.133.1-311.6
700  1^aClément,^bCatherine,^f1939-^3AU00708
702  1^aMendes,^bMaria do Rosário^4730
859   ^uhttp://www.bibliotecasobral.com.pt/BiblioNET/Upload/images/imagem11630.jpg
920 n
921 a
922 m
923  
924  
925  
931 20010604
932 d
933 2000
934     
935 m  
936 y
937 0
938 ba
966   ^lSMA^a20010972^s82-CLE/SEN^c1^90^60^p3.071$00